O maior Portal de Franquias do Brasil!
Home » Todos Conteúdos » Para Empreender » Capital de giro: o que é e como calcular para iniciar o meu negócio?

Capital de giro: o que é e como calcular para iniciar o meu negócio?

Sumário

Os empreendedores pensam em vários detalhes para iniciar o próprio negócio, como estrutura, operação, produtos. Contudo, nem sempre se lembram de planejar o seu capital de giro, e é sobre ele que falaremos neste conteúdo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, cerca de 60% das empresas fecham nos primeiros cinco anos. Um dos maiores problemas que levam a isso é a falta de planejamento financeiro.

Nesse sentido, o capital de giro é uma peça importante, auxiliando no controle financeiro e na organização do seu negócio. Por conta disso, ele não pode ser negligenciado.

Sendo assim, fizemos este texto para você conhecer mais sobre o que é capital de giro, sua importância e como fazer o seu planejamento.

Entenda o que é capital de giro

Provavelmente você já ouviu falar em capital de giro, pois é um termo bem comum no empreendedorismo. Esse termo se refere ao dinheiro necessário para bancar a continuidade do funcionamento da sua empresa.

Ele engloba todos os valores em caixa, depositados em contas bancárias e contas a receber. Assim, pode incluir também outras obrigações pendentes que podem ser convertidas em dinheiro para quitar as despesas empresariais.

Esse montante irá variar bastante de acordo com o negócio. Quanto maior a empresa, maior ele será.

Por fim, existem outros ativos da empresa, como carros, maquinário, estruturas, que não entram nesse cálculo do capital de giro.

Por que capital de giro é importante?

Conforme falamos, o planejamento do capital de giro necessário para uma empresa é fundamental para o seu andamento.

Além disso, é uma forma de manter a saúde financeira da empresa. Dessa forma, permite que ela venda a prazo para clientes e mantenha os estoques em bom nível.

Nesse sentido, com um capital de giro adequado para o tamanho da empresa, ela não fica refém de pagamentos que podem demorar a chegar.

Da mesma forma, evita que a empresa se descapitalize, o que pode atrapalhar no pagamento de salários e fornecedores.

A importância do capital de giro está ligada ao fluxo de caixa e à gestão financeira da empresa. Basicamente, é a ele que a empresa recorre quando sua entrada de capital é menor do que a saída.

Assim, ele se torna uma espécie de reserva de onde você vai tirar recursos enquanto os pagamentos não forem feitos. Um valor que pode servir como um “colchão” para amortecer as quedas de receitas.

Outro ponto importante é que esse capital serve para as sazonalidades pelas quais a empresa pode passar. Momentos de vendas mais baixas ou necessidade de investimentos.

Nesses casos, é preciso planejar o capital de giro para conseguir um equilíbrio. Com isso, garantir recursos para arcar com as despesas, mesmo em meses de menor movimento.

Por fim, com esse capital, a empresa pode lidar com eventuais problemas que não faziam parte do planejamento. Assim, evita-se repassar um possível desnível para fornecedores e clientes.

No próximo tópico mostraremos alguns pontos importantes a se considerar na hora de calcular esse capital.

Como calcular o capital de giro de um negócio?

Para calcular o capital de giro necessário para a empresa, o primeiro passo é avaliar os fatores relacionados a esse negócio.

Por exemplo, as contas a receber, o estoque, o caixa e a conta corrente bancária são alguns fatores que influenciam nesse cálculo. Dessa forma, é preciso detalhar todos os recursos financeiros para delimitar o valor necessário.

Por isso, separamos um passo a passo para lhe orientar nesse cálculo do capital de giro de sua empresa.

Analise seu ativo circulante

Um primeiro passo para definir qual será o seu capital de giro é avaliar todo o seu ativo circulante.

Esse valor corresponde às aplicações financeiras, caixa, bancos, contas a receber, dentre outros recursos que a empresa possui com certa liquidez. Ele inclui os recebíveis no prazo máximo de um ano.

O ativo circulante, como dito anteriormente, diz respeito aos direitos e bens. Mas, nesse caso, refere-se aos bens e direitos com maior liquidez, ou seja, que podem ser convertidos em dinheiro para a empresa a curto prazo.

Por exemplo, os ativos circulantes podem ser a conta bancária de uma empresa, duplicatas a receber de clientes. Além disso, estoques de material para venda, investimentos de curto prazo, entre outros.

Contudo, não inclui aplicações financeiras, pois estas costumam ter baixa liquidez. Ou seja, para retirar, pode ser preciso pagar taxas, o que é uma perda que pode não ser compensável.

Calcule seu passivo circulante

Além de visualizar o ativo circulante da empresa, é necessário ter a conta do passivo circulante que irá influenciar no cálculo do capital de giro.

O passivo circulante corresponde às contas realizáveis dentro do exercício social da empresa, prazo este de 12 meses da demonstração do balanço patrimonial.

Também conhecido como exigível a curto prazo, inclui-se nele os empréstimos para aquisição de direitos do ativo não circulante. Contudo, desde que os valores a serem pagos vençam no exercício seguinte.

Lembre-se de fazer o AC – PC

Para delimitar o capital de giro necessário para sua empresa, faça o cálculo do ativo circulante menos o passivo circulante.

Para fazer esse cálculo, você deve estar atento às informações sobre o AC e o PC, que devem estar sempre detalhadas.

Da mesma forma, é preciso estar atento ao lucro da empresa para, com isso, definir o tempo de duração do recurso para sua constante reposição.

Capital de giro nas franquias

O cálculo do capital de giro, como mostramos, exige do empresário muito cuidado e conhecimento de cada detalhe do negócio.

Porém, se optar por investir em uma franquia ao invés de iniciar um negócio do zero, o empreendedor não terá que fazer todo esse processo de cálculo. Isso porque a franqueadora indica o valor necessário.

A franqueadora consegue definir o valor necessário para o capital de giro. Isso porque conta com sua experiência em outras unidades e com todos os estudos realizados na formatação da franquia.

Como uma franquia é uma empresa preestabelecida, em que cada unidade é igual às outras, os detalhes de gestão também são padronizados.

Ou seja, a franqueadora já sabe os custos da unidade na qual você vai investir. Assim como os valores de capital necessários para fazer a empresa funcionar sem problemas.

Por ter um formato preestabelecido, o empreendedor investe em uma empresa estruturada e de implementação mais simples.

Além disso, conta com diversos suportes e treinamentos para conhecer o mercado e a operação da marca.

Da mesma forma, conta com apoio para questões de gestão e burocracia, bem como auxílio para as ações de marketing. Uma forma de você aprender mais sobre como esse modelo funciona é o curso Franquias Sem Cilada. Veja algumas aulas clicando aqui e aumente seu conhecimento.

Na Circular de Oferta de Franquia (COF), o empreendedor fica sabendo dos custos de implementação e todos os suportes ofertados pela franqueadora.

Com tudo isso, essa é uma forma mais simples de empreender, com menores custos e uma operação mais eficiente do ponto de vista de gestão.

Quais são os tipos de capital de giro?

Existem diferentes tipos de capital de giro e é bom que o empreendedor conheça todos eles antes de iniciar seu próprio negócio.

Nesse sentido, vamos falar um pouco sobre os quatro tipos de capital de giro: capital de giro bruto, líquido, variável e permanente.

A princípio, o capital de giro bruto consiste no total dos ativos circulantes. Por outro lado, a diferença entre o passivo circulante e ativo circulante recebe o nome de capital de giro líquido. Este último é uma métrica mais segura para avaliar a capacidade da empresa.

Sobre ele falamos mais acima e é o mais comum nas empresas. Com ele, já é possível pensar o seu negócio de maneira eficiente.

Contudo, existe também o capital variável. Ele resulta em valores retirados quando há variação na necessidade do uso do capital de giro por alguma ocasião específica e pontual.

Dessa forma, na maioria das vezes, as variações são motivadas por compras antecipadas para composição do estoque. Normalmente devido a uma venda maior em algumas épocas do ano.

Por fim, o capital de giro permanente é o valor do capital que deve ficar inalterado e que deve ser investido em ativos de alta liquidez.

É um valor que precisa ser de rápido resgate, consistindo na quantidade mínima de ativo circulante. Assim, é o ideal para garantir que a empresa tenha condições de funcionar normalmente.

Cuidados importantes com o capital de giro

Ao longo do texto, você pôde perceber a importância do capital de giro como forma de estruturar a empresa e evitar que ela tenha problemas de fluidez. Por conta disso, é preciso alguns cuidados com esse capital e tudo que o envolve, deixando sua empresa sólida e com a saúde financeira em dia.

Nesse sentido, um dos cuidados com o capital de giro é realizar o acompanhamento de perto dos valores de recebíveis. Com isso, você consegue controlar melhor as necessidades de sua empresa.

Da mesma forma, é preciso estar atento às sazonalidades do seu mercado para se precaver contra uma eventual descapitalização.

Além disso, é importante manter controle de estoque para evitar ficar com dinheiro parado que pode demorar a entrar em circulação. Isso pode permitir um fluxo de caixa mais eficiente.

Para ter um maior controle e ter mais segurança, é essencial também estar atento aos custos fixos do negócio. Faça sempre uma análise desses custos, para que em algum momento possa identificar cortes a serem feitos.

Do mesmo modo, é importante ter disciplina para manter sua empresa financeiramente saudável. Em algum momento pode até fazer uma antecipação de recebíveis. Mas, para isso, analise as taxas cobradas para ver se vale a pena.

Uma dica de especialista é que não se deve usar seu capital de giro para cobrir alguma despesa. Deixando assim de repor a mesma quantia quando entra dinheiro em caixa.

Outra dica é saber negociar com seus fornecedores. Uma compra à vista pode dar desconto, ou alguma negociação mais específica pode dar um fôlego para os custos da empresa.

Vale a pena obter empréstimo para capital de giro?

O capital de giro é um valor importante para a solidez de uma empresa e fundamental para o seu bom desenvolvimento.

Contudo, caso sua empresa esteja passando por dificuldades e precise recorrer a um empréstimo para repor esse capital, o que se recomenda é muita cautela.

Dependendo do problema que fez com que o capital de giro se tornasse insuficiente, pode ser uma boa opção buscar um empréstimo.

Por outro lado, essa decisão deve ser tomada levando em consideração a capacidade de a empresa gerar receita. Ou então receber capital para dar conta de pagar o empréstimo sem ficar no vermelho.

Pequenas empresas usam esses empréstimos de curto prazo para cobrir perdas inesperadas também. Ou ainda, para fazer investimentos necessários, mas que não estavam programados.

Dessa forma, antes de tomar o empréstimo, o empresário deve colocar em uma planilha seus gastos, planejar seus recebimentos e pagamentos futuros.

Assim, tendo um bom controle da situação, o empréstimo pode ser uma boa opção para sua empresa.

Qual a diferença entre capital social e capital de giro?

Esses dois conceitos fazem parte do aparato de uma empresa e dizem respeito às finanças do empreendimento. Contudo, seus significados são bem diferentes.

O capital social é o montante investido por cada um dos sócios, ou pelo empreendedor único, para o início do empreendimento.

Valores em dinheiro, imóveis, ferramentas, equipamentos, veículos etc. Eles podem ser considerados como investimentos e devem ser contabilizados como capital social da sua empresa.

Por exemplo, três sócios fundam uma empresa. Um investe R$ 50 mil, o outro o mesmo valor e o terceiro investe R$ 100 mil, o capital social será de R$ 200 mil.

Nesse sentido, os dois primeiros sócios terão direito a 25% de participação da sociedade, e o terceiro a 50%. Por outro lado, o capital de giro é um valor que faz parte da gestão da empresa.

Como mostramos, é o valor necessário para pagar as obrigações da empresa e garantir que o seu negócio siga com uma vida financeira saudável.

Depois de ver tudo que falamos sobre o capital de giro e sua importância, você está mais preparado para empreender com segurança. Se planeje bem, avalie as boas opções no mercado de franchising e boa sorte!

Acompanhe o mercado
A mais lidas hoje