Franqueador e franqueado: entenda essa relação de negócios

Por
em
Homem de negócios explicando para várias pessoas sentadas em uma mesa de reunião. Ilustração do texto sobre franqueador.
Advertisement

O modelo de franquias já é bastante conhecido no mercado brasileiro, bem como as principais partes do negócio, franqueador e franqueado.

As grandes marcas de franquias já estão no imaginário dos consumidores, mas o franchising se faz também com marcas menores.

Algumas delas, que trabalham com modelos home office, possuem centenas de franqueados mesmo não sendo tão conhecidas do grande público.

Mesmo sabendo muita coisa sobre este modelo de negócio, alguns detalhes ainda não estão claros para muita gente.

Por isso, trazemos aqui um pouco mais sobre a relação do papel dos franqueadores e dos franqueados.

Quem é o franqueador no franchising?

Basicamente o franqueador é uma empresa que sistematiza o seu modo de produção de maneira a possibilitar que outras pessoas possam comprar uma unidade da marca e replicar seu trabalho.

Da mesma forma, ele apresenta um modelo de negócio já testado, aprovado, e transfere aos parceiros o conhecimento prévio da empresa.

Antes de se tornar um franqueador, a empresa precisa organizar seu modo de produção de uma maneira que possa comercializar por meio da franquia.

Dessa maneira, enxuga gastos, adapta processos e produtos para gerar um negócio para replicar em unidades longe da sede da marca.

O papel do franqueador é apresentar um modelo de negócio e repassar aos interessados, por meio do contrato de franquia, o know-how envolvido nos produtos ou serviços.

Com isso, cada unidade será capaz de fornecer a mesma coisa aos clientes.

Da mesma forma, cabe à empresa fazer o marketing da marca, orientar os franqueados na melhor gestão do negócio.

Essa é uma atuação importante para que a nova unidade possa levar o nome da marca e oferecer a mesma qualidade.

Ainda, a franqueadora tem a responsabilidade de repassar suportes técnicos para cada unidade.

Isso acontece, pois é a empresa que possui maior facilidade para resolver problemas, por conta da experiência que possui.

Imagem de um homem pensativo em frente um computador em uma mesa de escritório. Imagem ilustrativa texto franqueador.
Deve-se analisar bem a empresa antes de transformá-la em franquia.

Igualmente, cabe ao franqueador ser claro com os empreendedores, apresentar informações verdadeiras sobre a possível rentabilidade do negócio.

Não menos importante é que a franqueadora deve sempre buscar atualizar seus processos e produtos.

A inovação é um dos pilares do modelo de franchising, seja para melhorar ou baratear produtos e serviços.

Enfim, a relação entre as partes no negócio de franquia deve se pautar pela clareza e ajuda mútua, pois é interesse para todos que a marca se fortaleça.

Quem é o franqueado no sistema de franquias?

O franqueado é a parte da relação de franchising que investe em uma unidade de uma marca para ser dono do seu próprio negócio.

A unidade é uma empresa separada da franqueadora, com CNPJ próprio e tudo mais, mas que oferece produtos e serviços da marca da empresa mãe.

O franqueado responsabiliza-se pela gestão do negócio no dia a dia da sua unidade, bem como contratar funcionários, conseguir licenças, etc.

Por outro lado, o franqueador deve oferecer uma série de suportes ao franqueado, como disponibilizar um sistema interno como um portal do franqueado e treinamentos.

Ainda, a empresa pode auxiliar na escolha do ponto comercial.

A franqueadora também pode dar algum auxílio para que a unidade consiga as licenças e alvarás. Todos os suportes da marca devem vir bem explicados na Circular de Oferta de Franquia (COF).

Da mesma forma, o franqueado também tem responsabilidades para com a franqueadora, como seguir os manuais de operação à risca.

Ainda, cada unidade deve pagar taxas, como fundo de propaganda e royalties.

Do mesmo modo, a franqueadora deve oferecer materiais para o marketing das unidades. Porém,  o trabalho de propaganda relativo a cada unidade cabe ao franqueado executar.

Enquadra-se também ao franqueado observar alguns aspectos intangíveis do negócio que podem auxiliar no desenvolvimento do negócio.

Empresária trabalhando em frente um computador. Imagem ilustrativa texto franqueador.
O franqueado deve ter uma boa noção do mercado onde está inserida a franquia.

Assim, é possível que exista algum aspecto específico de sua clientela, por causa da região, e ele precisa saber se adaptar.

Alguns públicos podem ser mais abertos e receptivos, enquanto outros são atraídos por promoções.

Portanto, são padrões que cabem ao franqueado ficar atento para melhor atender o seu público, e é algo que só se descobre com a prática do dia a dia.

5 passos para se tornar um franqueador de sucesso

A empresa que começa a cogitar se transformar em franqueadora deve passar por um processo de formatação de franquia.

Este processo leva em consideração uma série de análises que devem ser feitas para ver a viabilidade de transformar a marca em uma franquia.

São diversos pontos para análise da empresa antes de se tornar uma franqueadora. Em resumo, trazemos cinco etapas importantes para fazer esta transformação.

1. Análise de franqueabilidade

Nem todo negócio é passível de se transformar em uma franquia. Alguns tipos de negócios possuem peculiaridades que não são rentáveis em forma de unidades franqueadas.

Sendo assim, antes de se tornar um franqueador, o empreendedor precisa fazer uma análise do modo de produção da sua empresa.

Ele precisa responder algumas perguntas, por exemplo, o negócio será rentável se produzido fora dos muros da empresa?

Assim, o modo de produção, seja de produtos ou serviços, deve ser atrativo para novos investidores. E para isso, a maneira de executar o trabalho deve ser a mais simples  e com possibilidade de replicação.

Do mesmo modo, a análise da franqueabilidade deve responder se os produtos ou serviços da marca possuem um atrativo junto aos novos públicos.

Com isso, a marca deve ser comercializável para diferentes regiões e clientes.

Não basta a empresa fazer sucesso em uma cidade ou estado, se ela não possui potencial atrativo para pessoas de outros estados ou regiões. Se for assim, se torna pouco chamativa para investidores e clientes.

Temos abaixo, um vídeo para quem deseja se tornar um franqueador e quer entender todos os passos para este processo.

2. Análise financeira do negócio

Advertisement

Depois de analisar se é possível ou não franquear o seu negócio, a empresa deve entender também os aspectos financeiros que envolvem a formatação de franquia.

O franqueador deve colocar na ponta do lápis o seu plano de negócio e entender os custos e os lucros que podem vir da operação.

Dessa forma, analisar se o modo de produção, ao ser replicado, ainda possui um custo razoável e pode proporcionar lucro para franqueador e franqueado.

Da mesma maneira, os custos que envolvem o marketing, as compras de equipamentos necessários para atender as demandas das unidades.

Tudo isso, a empresa deve ter em caixa para oferecer um modelo de negócio sólido.

Ainda, no início da franquia, a empresa deve investir em unidades para que ela mesma seja uma franqueada também. E assim, atrair os olhares dos investidores em potencial.

Então, se alguma unidade estiver patinando, sem dar retorno, o franqueador pode optar por tentar comprar novamente a franquia.

Portanto, melhorar o desempenho, para que esta unidade fraca não manche a reputação da marca.

Tudo isso e os diversos outros aspectos devem ser levados em conta, como capacidade de investimento em inovação e cortes de custos. Assim, oferecer uma operação mais enxuta e barata.

3. Definição de processos

Assim como uma base financeira sólida, a empresa que deseja se transformar em franquia deve formatar seus processos.

Esta etapa do trabalho permite fazer com que a empresa possa replicar seu modo de produção.

A empresa precisa rever as etapas de produção que sejam mais complicadas ou onerosas, para adequar ao modelo de franquia.

Da mesma forma, processos que exijam maior treinamento podem ser readequados ou então, podem ser repassados aos franqueados por meio de treinamentos.

 Além deste trabalho interno, a definição dos processos também passa por uma proteção jurídica para produtos e serviços exclusivos. Por meio de proteção intelectual a empresa pode proteger o seu know-how.

Homem usando um macacão laranja aponta para uma direção com um lápis amarelo na mão e uma prancheta na outra. Ilustração do texto franqueador.
O modo de produção precisa ser o mais simples possível para facilitar a expansão da marca.

Sendo assim, a empresa pode fazer algumas adaptações. Por exemplo, a franqueadora pode optar por manter algumas etapas de produção concentradas na sede.

E por outro lado, deixar a cargo das unidades outras partes do processo.

Isso pode ser bom para evitar custos excessivos para as unidades e tornar o negócio rentável e mais atrativo para os novos franqueados.

4. Plano de marketing para expansão

Depois de se fortalecer internamente e organizar-se em sua estrutura, a empresa agora precisa vender a sua marca.

Só que esta venda é diferente, agora busca pessoas que acreditem no seu modelo de negócio, não consumidores comuns.

Estes empreendedores são os que farão a marca expandir, se convencendo de abrir uma unidade da franquia em diversos lugares. Dessa forma, aplicar a área de atuação do franqueador.

Este marketing de expansão deve ser bem orientado, e caso a empresa não conte com um departamento estruturado para isso, pode recorrer às empresas especializadas.

Atualmente a propaganda dos negócios é feita de maneira mais eficiente e direcionada, buscando o cliente no canal de informação mais direto.

Seja pela internet, em feiras de franquias, sites especializados ou mídias sociais, o importante é fazer este marketing bem feito.

Assim, precisa direcionar para seus clientes, para eles entenderem o processo e que agora, mesmo como franquia, ainda oferece tudo que sempre ofereceu, e até mais.

Então, o marketing para atrair empreendedores que buscam negócios atrativos, rentáveis e de fácil execução.

Separamos para você um ebook com várias dicas para quem deseja abrir uma empresa, com alguns cuidados especiais que o empreendedor deve ter.

Banner ebook cuidados abrir empresa.

5. Contrate uma consultoria

Mesmo que você já seja experiente no seu ramo de atuação e conheça o sistema de franchising, este processo de formatação pode ser complexo.

Dessa forma os passos anteriores podem ser mais simples se você contratar uma consultoria especializada.

Uma destas empresas do ramo é a NX Franquias, especializada em formatação de franquias e expansão de marcas.

Este processo, se feito com alguém de maior know-how, pode ajudar em uma expansão mais rápida da rede de franquias.

Da mesma maneira, evita-se pular etapas, e no final é possível um modelo de negócio mais sólido e enxuto.

Com a experiência de uma consultoria, o franqueador pode ter alguém para oferecer uma visão macro do negócio. E com este olhar de fora, consegue-se implementar mudanças saudáveis.

A NX Franquias, além de um setor especializado na formatação de franquias, ainda conta com projetos que ajudam na expansão de marcas.

A empresa promove Feiras Virtuais de Franquia, e também presenciais.

A NX Franquias conta com o suporte do grupo Encontre Sua Franquia, uma das maiores holdings de franquias do Brasil, da qual faz parte.

O grupo conta com marcas do mercado de franquias bem sucedidas em seu portfólio.

Ainda, conta também com a expertise de Henrique Mol, presidente da Encontre Sua Franquia. Assim, com seu canal de YouTube ele divulga marcas e dicas para empreendedorismo e parceiros da NX Franquias.

Caso tenha se interessado pelo trabalho da NX Franquias, entre em contato, acesse o botão abaixo.

Advertisement
Advertisement