Quer abrir um negócio em outro país? Saiba como fazer

Por
em
Mão segurando um passaporte e bilhete de avião em ambiente de aeroporto. Ilustração do texto sobre abrir um negócio em outro país.
Advertisement

Abrir um negócio em outro país é um passo importante para qualquer empresário e demanda uma análise cuidadosa. Por isso, preparamos dicas para você expandir seus empreendimentos no exterior e lucrar ainda mais.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, há cerca de 20 mil micro e pequenos empresários brasileiros espalhados pelo mundo. Além disso, 2019 foi o ano com mais empresas abertas por brasileiros nos Estados Unidos.

Os números são resultado da preocupação com o fechamento de empresas no Brasil, considerado alto. Mas também existem outros fatores que motivam os brasileiros a abrirem um negócio em outro país, como ter menos burocracia, o atual cenário econômico, entre outros. Continue a leitura e saiba mais.

5 dicas para abrir um negócio em outro país

Abrir um negócio em outro país não é fácil, mas não é impossível. Confira abaixo algumas dicas para facilitar seu negócio no exterior!

1. Entenda com o que você quer trabalhar

Um dos primeiros e principais pontos para abrir um negócio no exterior ou não, é entender a área em que deseja trabalhar. Afinal, ter um negócio próprio é o sonho de muitos brasileiros. Porém, há uma parcela dessas pessoas que desejam empreender fora do seu país de origem.

Assim, um dos primeiros passos é escolher um negócio assertivo para o país certo. Afinal, muitos brasileiros saem do país sem saber em que área irá atuar e sem um planejamento mais detalhado. 

Dessa forma, muitos acabam não conseguindo ofertas de trabalho onde já atuavam ou até mesmo começam o negócio de modo informal.

Então, para evitar esses problemas, o ideal é sair do Brasil com o planejamento pronto. Mas para isso, será necessário muito estudo e pesquisa.

Vista aérea de mulher com cabeça apoiada nas mãos em frente a computador. Mão segurando um passaporte e bilhete de avião em ambiente de aeroporto. Ilustração do texto sobre abrir um negócio em outro país.
Entender a área em que pretende atuar poupa problemas a longo prazo.

Seja no Brasil ou em outro país, você vai precisar investir tempo e dinheiro no seu negócio. Portanto, é essencial que você encontre algo que seja original e lhe motive a continuar trabalhando.

De modo geral, nossos gostos, hobbies ou áreas de atuação podem ser boas fontes de inspiração para abrir um negócio. Isso porque, se você tem um nicho de interesse, provavelmente há outras pessoas que compartilham esse sentimento.

Além do mais, é essencial pensar o quanto você pode se dedicar ao projeto. Mesmo ao abrir um negócio em outro país, você vai precisar organizar seu tempo entre trabalho e vida pessoal.

É importante ainda levar em conta outros aspectos de sua vida pessoal antes de abrir um negócio em outro país. Por exemplo, a adaptação a uma nova cultura e se estabelecer em um local até então desconhecido.

2. Analise bem o mercado do país

Advertisement

Para empreender em outro país é preciso analisar bem as questões específicas do mercado local. Além disso, existem as leis de comércio internacional, que mudam bastante de um país para outro. 

Assim, o investidor pode pesquisar qual país será mais oportuno para o empreendimento escolhido. E caso já tenha escolhido o país, é a hora de pesquisar as leis de imigração e oportunidades de empreendimento.

Tudo isso precisa ser feito com antecedência. Afinal, o empreendedor deve se programar para cumprir todos os requisitos legais antes de começar a arrumar as malas.

Caneta apontado para tela com gráficos enquanto mão segura celular. Ilustração do texto abrir negócio em outro país.
Antes de abrir um negócio em outro país é essencial conhecer a economia do local.

Por isso, o empreendedor deve contar com um plano de negócios. Isso porque, as operações comerciais serão realizadas no exterior, de modo que o investidor precisa estar preparado para o que virá.

Para auxiliar, o Ministério das Relações Exteriores desenvolveu cartilhas sobre como empreender em 13 países.  Esses documentos possuem informações sobre a imigração, legislação fiscal, alfandegária e trabalhista.

Além de informações sobre a área contábil e fiscal. E também dados sobre capacitação empresarial e profissional, além de cultura empresarial do local etc.

Nessas cartilhas, existem dicas para abrir um negócio no Reino Unido, Holanda, Luxemburgo, Alemanha e mais. E também possuem edições especiais sobre a região da Nova Inglaterra, Flórida, entre outros . 

Além das cartilhas, os interessados devem pesquisar sobre o comércio e a economia de modo geral no país em que pretendem empreender. Isso porque, é preciso saber se seu produto ou serviço será bem aceito no exterior.

Por fim, é essencial que o investidor se mantenha constantemente atualizado. Neste sentido, é interessante acompanhar veículos de comunicação do país em que se pensa em abrir o negócio para saber mais sobre a realidade local.

3. Estude o aspecto legal dos negócios no país

Outro ponto essencial para qualquer negócio, inclusive para os no exterior, são as questões legais. Entender bem esses aspectos é importante para que o negócio possa ser aberto sem maiores problemas. 

Porém, em outros países, essas questões po dem diferir das exigidas no Brasil. Além disso, são necessários outros documentos para empreender no exterior. E, mais uma vez, vale a dica de fazer tudo com bastante antecedência.

Advertisement
Em primeiro plano martelo de juíz e ao fundo homem usando computador. Mão segurando um passaporte e bilhete de avião em ambiente de aeroporto. Ilustração do texto sobre abrir um negócio em outro país.
Um aspecto importante de empreender no exterior é conhecer as leis do país estrangeiro.

Por exemplo, muitos países exigem o visto de trabalho entre outras permissões para abrir um negócio nesse território. E essas permissões são cedidas apenas a imigrantes com a intenção de residir permanentemente nesse país. 

Além disso, em alguns países existe uma legislação própria para negócios criados por estrangeiros. Esses, podem envolver, por exemplo, a contratação de um número específico de funcionários nativos. E também pagamento de tributos diferenciados ou a apresentação de resultados periódicos.

Ou seja, antes de tomar a decisão final de empreender no exterior o investidor precisa avaliar com muito cuidado todos esses quesitos. Assim, pode ser interessante contratar um advogado especialista em direito internacional para ajudar.

4. Planeje suas finanças

Como já citado anteriormente, abrir um negócio em outro país traz alguns desafios a mais do que empreender na própria nação. Além disso, um dos principais pontos é o capital de giro para manter o negócio funcionando. 

Afinal, as economias devem durar até que o negócio alcance o ponto de equilíbrio para começar a dar lucro. No exterior, muitas vezes os brasileiros têm um valor muito restrito para viver nos primeiros meses. 

Mas isso se deve principalmente, porque o real pode ser muito desvalorizado dependendo do país de escolha. Portanto, planejar as finanças é muito importante, sempre tendo em mente a conversão das moedas e a oscilação do mercado financeiro em ambos países.

Logo, esse montante pode diminuir de forma considerável. Porém, isso tudo vai depender do custo de vida local, do câmbio e da conversão desses valores. Então, para evitar surpresas, um bom planejamento financeiro deve levar todos esses fatores em consideração.

Dessa forma, o empreendedor irá saber o quanto será necessário arcar nas contas das empresas e das suas despesas pessoais. E assim, evitar gastos excessivos ou que podem ser dispensáveis.

Mãos contando notas de dinheiro em superfície branca.
Planejar as finanças no exterior deve ser uma tarefa feita com cautela, levando em conta as variações das moedas.

Além de ter a segurança necessária para se dedicar ao negócio, sem maiores preocupações. Por fim, poderá focar no gerenciamento, na atuação e relação com os clientes. Sem passar grandes apertos ou fechar o negócio de forma prematura. Em suma, garantindo maior estabilidade para o investimento.

5. Abra uma franquia

Para ter uma maior segurança na escolha de abrir um negócio no exterior, o empreendedor pode escolher o mercado de franquias. Em primeiro lugar, este modelo de negócio funciona proporcionando ao empresário o direito de explorar a marca comercialmente. 

Além disso, o franqueado terá o know-how e o auxílio de diversos profissionais para atuar na sua unidade franqueada. O investidor também terá auxílio nos aspectos legais e conhecerá melhor o mercado de atuação local. 

Ou seja, abrir uma franquia acaba facilitando todos os aspectos citados anteriormente. Sem contar a diversidade de franquias baratas para investir nos mais variados segmentos.

Dessa forma, o franqueado estará amparado pela franqueadora nas atuações. Depois, poderá focar no gerenciamento e acompanhamento da unidade. Assim, terá como missão apresentar um bom trabalho e relacionamento com o cliente. E como resultado, auxiliando a marca a ser reconhecida na área.

Então, o empreendedor pode escolher uma franquia do país de interesse, ou levar uma franquia brasileira para o exterior. Ambos os casos são mais simples, já que as franquias possuem planos de internacionalização.

Logo, há opções de marcas brasileiras consolidadas para abrir no exterior. Por exemplo, a rede de franquias Acquazero, a maior do segmento de limpeza ecológica no mundo. A marca possui unidades no México, EUA e República Dominicana, e está no processo de instalação de mais uma unidade na Austrália.

Outra opção que vale a pena investir, é a Cream Berry açaiteria, que está em processo de pesquisa para expansão no exterior.

Duas tigelas de açaí com frutas ao redor.
Rede de franquias de açaí pode ser boa opção para abrir no exterior.

Agora que você já sabe mais sobre as vantagens de abrir uma franquia no exterior, confira algumas para investir aqui e lá fora: Franquias baratas 2021/2022: 240 melhores oportunidades para empreender e ganhar dinheiro

Advertisement
Advertisement