Existe risco de empreender na crise, ou é um bom momento para começar o negócio? Saiba a resposta!

Por
em
Imagem de um dedo apertando uma calculadora. Imagem ilustrativa texto empreender na crise.
Advertisement

Empreender na crise pode se uma boa alternativa, e o empreendedor deve estar atento para não ficar para trás e perder esta oportunidade.

A taxa de empreendedorismo (proporção da população adulta que está ocupada como empreendedor) no Brasil atingiu o menor patamar dos últimos oito anos e caiu para 31,6% em 2020, ante 38,7% registrada em 2019. E isso abre espaço para novos negócios.

Porém, se normalmente o empreendedorismo já exige cuidados, em momentos de crise é ainda mais necessário realizar este processo de forma sólida, como mostraremos a seguir.

É possível empreender em tempos de crise?

Todos sabemos da crise econômica causada pela pandemia, em que o Brasil e o resto do planeta ainda enfrentam suas consequências. Diante desta realidade, os empresários são os primeiros a sentir o impacto da diminuição da demanda de serviços, junto dos autônomos.

Enquanto muitos estão se adaptando para tentar minimizar os prejuízos adiando projetos, existem aqueles que estão mais otimistas em relação às perspectivas para a economia brasileira. Estes freiam os avanços, repensam os passos, mas não desistem de seus projetos.

Da mesma forma, existem aqueles que também estão de olho na oportunidade de empreender na crise e decidem iniciar o próprio negócio exatamente em momentos como este.

Nesse sentido, existem vantagens que podem ser bem interessantes para o empreendedor. Por exemplo, a crise costuma ser responsável pelo fechamento de diversas empresas.

Assim, o empreendedor pode aproveitar o espaço deixado por aqueles estabelecimentos que fecharam as portas.

Da mesma forma, em momentos de crise, o hábito dos consumidores passa por adaptações e o empreendedor pode aproveitar estas mudanças.

Um exemplo foi o crescimento do delivery durante a pandemia, que abriu espaço para novos tipos de negócios de vendas online para atender esta demanda diante da mudança de hábito de consumo das pessoas.

Enfim, empreender é identificar oportunidades não atendidas, gerando valor para o consumidor. E com a crise, elas podem aparecer de várias formas.

Imagem de um empresário segurando um copo de café enquanto trabalha no computador. Imagem ilustrativa texto empreender na crise.
Momentos de turbulência econômica podem ser uma boa oportunidade para empreender.

Desafios de empreender na crise

Empreender normalmente já é um processo complexo, que exige cuidado e também possui muitos riscos de prejuízo.

Imagina então empreender em um momento de crise econômica. A expectativa é fechar este ano com o PIB (Produto Interno Bruto) na casa de 5% e entre 1,5% a 2% no ano que vem. Índice muito baixo para recuperar as perdas durante a crise da Covid-19.

Além disso, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação nos últimos 12 meses ficou em 8,99%.

Estes são apenas alguns dos dados econômicos em que se apresentam os desafios que o empreendedor terá que enfrentar.

Nesse sentido, é necessário fazer um bom planejamento, principalmente na parte financeira. Avaliar seus custos e sua capacidade de investimento.

Do mesmo modo, é preciso estar atento a mercados promissores com boas ideias de negócios. É fundamental identificar os nichos que possam ser interessantes neste momento ou em um futuro próximo.

Além disso, elaborar um plano de negócios. Nele, descrever os objetivos e quais caminhos devem ser seguidos para alcançá-los, diminuindo riscos e incertezas.

Esse planejamento vai demonstrar se o seu negócio é viável, considerando as estratégias, o mercado, as operações e a gestão financeira.

Ainda, desenvolver redes de contatos e construir bons relacionamentos comerciais. Desta forma, relacionar-se com pessoas-chave que possam ajudar a atingir os objetivos do seu negócio.

São muitos desafios para empreender na crise, mas o empreendedor pode ser bem recompensado se conseguir se adaptar e aproveitar as oportunidades que surgirem.

4 dicas para empreender em um momento de crise

Para quem não tem medo da crise, que enxerga em momentos como este uma oportunidade de crescimento, existem muitas possibilidades.

Contudo, mesmo com muita dedicação e força de vontade, o empreendedor deve tomar alguns cuidados. É preciso avaliar bem, planejar e executar este processo com eficiência.

Por isso, separamos aqui algumas dicas para quem pretende empreender na crise e busca um caminho sólido para isso.

Imagem de um empresário explicando algo em um quadro escrito START UP. Imagem ilustrativa texto empreender na crise.
Para empreender na crise, o empreendedor deve buscar se preparar e planejar seu negócio.

1. Analise bem o que você quer fazer

Um dos primeiros passos para empreender, em qualquer momento, em qualquer tipo de negócio é fazer o que gosta.

Pense que você terá que dedicar muito tempo para o negócio próprio, e isso será mais fácil se este empreendimento for algo que você se identifique.

Nesse sentido, você se sentirá mais animado, e isso é fundamental para aqueles momentos de bastante cansaço ou na hora de enfrentar os obstáculos que surgem pela frente.

Além disso, será mais simples o aprendizado, pois é natural termos mais afinidades com informações sobre algo que gostamos.

Buscar um negócio que se encaixe também com o seu perfil é importante até para o sucesso do negócio. Imagine alguém que não gosta de carne abrir uma churrascaria? Aumentariam as chances do empreendimento não dar certo.

Do mesmo modo, se o seu perfil é mais técnico, invista nesta área e ofereça serviços neste sentido. Ou por outro lado, se você for uma pessoa mais comunicativa, busque um negócio de vendas, que lhe permita conviver mais com seus clientes.

Enfim, é importante detectar com precisão aquilo que gosta de fazer para que tenha prazer em trabalhar com isso no dia a dia.

2. Programe seu orçamento

Advertisement

Muitas empresas fecham as portas em pouco tempo por falta de planejamento financeiro. O empreendedor precisa entender que o dinheiro demora a entrar de forma sólida.

Por conta disso, para empreender na crise é preciso se planejar financeiramente de forma consistente. Entender que o momento requer um cuidado maior e que pode demorar mais para o negócio engrenar.

Do mesmo modo, se programar para reduzir custos e com isso, apresentar produtos ou serviços atrativos para este momento em que o consumidor está com um baixo poder de compra.

Além disso, organizar sua vida financeira pessoal para não ficar muito dependente do lucro da empresa. Se for preciso, baixe o custo de vida, venda algum bem que não seja tão necessário neste momento.

Dessa forma, é possível avaliar os custos que podem ser alocados para a empresa sem comprometer o orçamento pessoal.

Imagem de uma calculadora, um caderno de anotações e algumas notas de dinheiro. Imagem ilustrativa texto empreender na crise.
Faça um bom planejamento para implementar um negócio de forma sólida.

3. Avalie seu mercado local

Um dos cuidados para iniciar um negócio e estudar bem o mercado local. Analise os concorrentes e como é o público consumidor da sua região.

Nesse sentido, é importante avaliar as lacunas do mercado, investir onde não tenha tantos concorrentes. Isso permite que seu negócio se destaque de forma mais rápida.

Do mesmo modo, é interessante estudar o comportamento dos consumidores da região, avaliar o quanto eles costumam gastar. Isso deve direcionar a precificação do seu negócio.

Isso porque não é atrativo oferecer produtos ou serviços caros em uma região de baixo poder aquisitivo. Ainda, um mercado local de maior poder de consumo tem uma exigência maior.

É necessário também entender o que a região precisa, se no local existem poucos negócios deste ou daquele nicho de mercado.

Tudo isso pode lhe orientar para uma escolha mais segura, com menos riscos para o seu negócio, o que é importante para quem vai empreender na crise.

4. Escolha uma franquia

Uma forma mais segura de empreender na crise é por meio de franquia. Este modelo de negócio conta com um know-how e uma estrutura preestabelecida que facilita o início do seu empreendimento.

Assim, o empreendedor investe em uma empresa quase pronta, com uma marca reconhecida no mercado. Com isso, aumentam suas chances de sucesso com o negócio próprio.

Além disso, uma grande vantagem deste modelo de negócio são os suportes. O franqueado recebe treinamento e orientações como auxílio para o marketing e para a gestão.

Por fim, este formato é interessante pois o empreendedor já sabe quanto terá de gastar. Na Circular de Oferta de Franquia (COF) é informado os custos de implantação e manutenção do negócio.

Dessa forma, o empreendedor consegue se planejar melhor financeiramente, e com isso, pode fazer o investimento de forma mais segura.

E o mercado de franquias é bem amplo, com diferentes tipos de negócios voltados para vários nichos de mercado. No link abaixo trazemos uma lista de franquias baratas para você conhecer.

Caso opte por uma marca, entre em contato com a franqueadora. Mas se ainda está com dúvida, receba uma consultoria gratuita com especialistas que vão lhe ajudar na escolha da franquia ideal para você. Acesse: henriquemol.com.br.

Advertisement
Advertisement